Ica - Haucachina, no Peru


Já pensou em se hospedar num oásis? Pois é, eu também não...mas quando vi essa possibilidade fiquei mais animada do que no dia em que conheci o Homem-aranha no parque da Universal em Orlando

Descobri essa belezura de lugar no Peru para acabar de vez como aquela noção inocente de achar que ele se resume a Macchu Picchu. Embarquei nessa viagem mil vezes mais animada com Haucachina, só para se ter noção. 

Para chegar em Haucachina basta chegar até a cidade de Ica que fica a umas quatros horas de ônibus de Lima. Chegando na estação de ônibus em Ica (paraiso dos tuc-tuc) é só pegar um táxi até o oásis - vai te custar cerca de 10 soles. 

Como se pode ver na foto, não é muito grande, porém está cheio de restaurantes/bares e hotéis bem atrativos. Ficamos nesse hotel cuja piscina está centralizada na borda inferior da imagem. É a Hosteria Suiza que eu indico com o maior carinho possível. Quem estiver com mais grana pode ficar no hotel mais caro de todos, o El Huacachinero. Nesse mesmo hotel, independentemente de ser hóspede ou não, é muito interessante a ideia de aproveitar o restaurante. Vá para o jantar, assim como nós fizemos. O hostel que mais bombava era o Bananas Adventures Hostel que era meio alternativo. Almoçamos um dia por lá e gostamos muito do clima e da comida. 

Em cinco minutos dá para conhecer tudo. Como eu disse, tem muitas opções para comer e beber uma biritinha - não deixe de passar pelo bar Huafuckingchina para beber o drink "Sex on the desert" (aproveite para jantar). É um lugar muito gostoso, tem muitos jovens e casais apaixonados perto da lagoa central. Além disso, ainda é possível fazer compras em uma micro feirinha de artesanatos. Não posso deixar de citar que o maior arraso está em subir em alguma das dunas para ver o pôr-do-sol e ter uma vista incrível de tudo.

Entre as atividades mais realizadas está o passeio pelas Ilhas Ballestas (as lanchas saem da cidade de Paracas) que dura o turno da manhã, e o passeio pelas dunas do deserto para praticar o sandboard (misto de Floripa e Natal numa proporção muito maior e divertida). É possível fechar todos eles nas agências que também estão no oásis, super fácil e tranquilo. 

Não senti desconforto com o vento (nem parecia que estávamos num deserto com dunas e quilos de areia), não sentimos nenhum ataque de insetos e durante a noite não fazia frio, resumindo, era perfeito.

Há uma vibe muito bacana naqueles arredores e você fica se perguntando se tudo o que está vivendo e presenciando é verdade. Com  certeza essa foi uma das experiências mais incríveis (e despretensiosas) da minha vida. 

De lá seguimos viagem até Nazca.


Huacachina - Peru          Viagem: 2015 (maio)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia