Roma, na Itália - Parte 2

Resultado de imagem para roma


Há quem duvide da tradição da Fontana di Trevi, que diz que quem joga uma moeda nela, certamente retorna a Roma. 

No meu caso deu certo. Lá estava eu outra vez. Mas dessa vez com uma tarefa complicada: descobrir e redescobrir uma Roma com pessoas que estavam lá pela primeira vez e com pessoas que já a conheciam. Tarefa dificílima, diga-se de passagem. 

A primeira dica é com certeza de hospedagem. Éramos 10 pessoas e alugamos um apê pelo Airbnb na Rome Unique Grand Trevi Fontain numa localização privilegiada: na rua da Fontana di Trevi (Via Arcione). Inclusive essa é a principal dica, fique em qualquer local ali no arredores da cidade antiga (que possui metro apenas ao seu redor). Não bastasse estarmos do lado da Fontana, estávamos pertíssimo do Metro Barberini e das ruas de compras Via del Corso e Via del Tritone. Todos os nossos tranfers também foram feitos com a Rome Unique, super indico. 

Fizemos basicamente todo circuito da cidade antiga a pé passando pela Piazza Navona, Piazza di Spagna, Fontana di Trevi, Piazza de la Rotonda onde está o Panteão (tem entrada gratuita). Fomos até os Jardins da Villa Borguese pra ter a vista panorâmica da cidade, depois descemos até a Piazza del Popolo, de lá cruzamos de ponta a ponta a Via del Corso (uma das principais de compras). 

No fim da Via del Corso está a Piazza Venezia com o monumento em homenagem a Vitório Emanuelle, o primeiro rei da Itália. Nessa insanidade andarilha fomos até a área Sacra di Largo Argentina, um dos sítios arqueológicos mais importantes do centro histórico de Roma, e depois rumo ao Coliseu passando pela Via dei Imperialli, e do lado das Ruínas do Foro Romano. Como já era fim de tarde, optamos em voltar no dia seguinte. Pegamos o metro Coliseu e descemos na nossa estação Barberini. 

No dia seguinte acordamos muito cedo e pegamos o metro para o Vaticano (descemos na estação Ottaviano), como não compramos entradas antecipadamente, decidimos pegar a fila. A entrada começava por volta das 9h, chegamos por volta das 8h, ficamos bem perto da entrada e deu tudo certo. Entramos no Museu do Vaticano, passamos por vários salões até chegar à Capela Sistina. Almoçamos num dos restaurantes ali nos arredores e posteriormente pegamos a fila para entrar na Basílica de São Pedro (entrada grátis mas fila enorme e no sol escaldante) situada na Piazza di San Pietro. Leve uma sombrinha para se proteger, passe bastante protetor solar, tome muita água e cubra os ombros e joelhos para entrar. Como sempre, rolou aquela emoção de entrar na Basílica tamanha beleza de todos os detalhes. Não deixe de ver a escultura de Pietá de Michelangelo e de subir até a cúpula para ter uma baita visão da cidade. 

Saindo de lá, ainda deu tempo de pegar o fim de tarde no Coliseu. No fim do dia, a fila para entrar é bem tranquila. 

Quem não quis voltar no Vaticano e no Coliseu fez o passeio até os jardins da Villa D’este em Tivoli.

A night foi no bairro de Trastevere onde a boemia come solta. Leia detalhes aqui. 

O fim da viagem em Roma se deu com nossa ida até a cidade de Civitavecchia para embarcamos no nosso cruzeiro até as ilhas gregas



Roma - Itália     Viagem: 2017 (setembro)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia