Balada em Montevidéu, no Uruguai

Na época de verão, logo depois das festas de Navidad (Natal), Montevidéu se esvazia pois todos vão para Punta del Este e cidades afins. Então muitas baladas acabam fechando e abrindo nesses balneários. A dica para quem vai no fim do ano é ir primeiro a Montevidéu e depois se deslocar para Punta, e nunca o contrário senão a probabilidade de decepção e desapontamento é de 110%. Apesar de ser capital, várias vezes eu me senti como se estivesse numa cidade pequena, principalmente na hora da balada. 

Eu achei que a noite de lá tinha muitas opções, apesar de muita coisa já ter fechado (chegamos na semana do natal). Dá para ir de ônibus para as baladas sendo necessário o táxi apenas na volta pra casa, achei a cidade bem segura. O clima era muito quente então não é preciso carregar na bolsa o velho casaquinho de sempre. Falando nisso, use roupas leves porque a noite é quente e a maioria dos bares não tem ar condicionado.  

Pesquisei bem de leve as opções de baladas antes de ir e achei vários nomes que quando cheguei lá descobri, pelos próprios uruguaios, que nem são tão legais assim. É sempre bom sondar sobre os locais antes de ir. A noite começa tarde então saia de casa lá pelas 00:30/1h. 

A badalação, pelo que percebi, se resume em ir para os bairros de Ciudad Vieja, Pocitos, Buceo, Punta Carretas e Parque Battle. Sendo que no Pocitos tem a rua Dr Luís A. de Herrera onde tem uma concentração boa de barzinhos e pubs e, era, de longe, a que mais bombava de gente.

O esquema é ir para algum barzinho fazer um esquenta e depois partir para bailar cumbia (a dança que bomba na noite e que eles piram na batatinha quando está tocando. É tipo um forró, só que "é um pra cá e dois pra lá". Essa marcação é suficiente o bastante pra deixar, nós brasileiros (as), totalmente descoordenados, estilo gringo no samba). Alguns barzinhos inclusive já tinham também música para dançar e não cobravam entrada. 

Se você não estiver com essa grana toda para esbanjar é bom sair ciente de que os preços são salgados, um drink custava por volta de 130 pesos (R$ 18), uma jarra de Clericó 490 pesos (R$ 69), de Medio y Medio 300 pesos (R$ 42) e uma garrafa de Chandon 750 pesos (R$ 105). 

Os principais lugares que ouvíamos o pessoal frequentar é o Bar Fun Fun (Ciudad Vieja), 21 Bar (Pocitos), Azabache Cafe (Parque Battle), Tres Perros (Pocitos), El Pony Pisador (Pocitos), Living Bar (Parque Rodó), Buda Lounge & Club (Pocitos), El Club (Palermo).

Não existe o facecontrol, as brasileiras mais uma vez se destacam no capricho do visual, as uruguaias não usam muito salto e quando usam são tipo uns tamancos plataforma (breguíssimos), mas pelo o menos elas são mais arrumadinhas que as argentinas (que nem penteiam o cabelo). 


21 Bar Pocitos (Luís Alberto de Herrera, 1140, Buceo)
http://pt-br.facebook.com/21BarPocitos

21 Bar

O 21 era a opção que sempre estava bombando de gente. O calor era grande e além de lá dentro estar cheio, uma multidão ficava na porta/rua confraternizando. Não custa nada para entrar e, além de bebidas, tem umas comidinhas também, possui mesas na área interna e externa (sem ar condicionado). A partir de umas 2 da manhã eles encerram as contas das mesas, afastam todas elas contra a parede e começa a tocar muita cumbia no salão. As pessoas vão a loucura e nós brasileiros ficamos dando aquela boiada básica sem saber as letras. Mesmo assim o clima é ótimo, contagiante, e fatalmente alguém vai te ensinar a dançar. O mais engraçado foi começar a tocar uns hits sertanejos brasileiros no meio da cumbia, aí era nossa vez de saber todas as letras (ou não). Foi muito divertido, indico com certeza! Se não for a Punta experimente o clericó, e se não tiver tomado no Mercado, peça o Medio y Medio. 

Buda Lounge & Club (Luís Alberto de Herrera, esquina com José Iturriaga)

Buda


O Buda estava muito próximo ao 21 e tinha mais "cara de boate". As mulheres pagavam 200 pesos (R$ 28) e o local era bem legal, com vários ambientes com uma decoração bacana, inclusive com um fumódromo onde a galera mandou ver na maconha. Eu gostei bastante da música porque não se resumiu apenas à cumbia. O dia em que fomos não ficou extremamente lotado mas foi bem divertido pois estávamos com um grupo grande do hostel. Fizemos um esquenta no 21 (era só atravessar a rua) e depois partimos para o Buda já umas 02:30/03h da manhana. 

Dharma Bar Restaurant (Ing. Eduardo garcia de Zúñiga, 2384, Punta Carretas)

Dharma
Esse foi o grande achado da viagem (e não foi na internet). Nossos amigos uruguaios nos levaram até lá que é o típico bar do "esquenta", local frequentado quase que 98% por locais. Tem essa área interna (foto) e umas mesinhas lá fora. Toca uma música ambiente muito boa com sucessos de músicas eletrônicas (e até o clipe do Naldo passou) sem falar no ambiente que é uma delícia de ficar. Lá experimentamos o Gramajo (um tipo de comida de bar que leva batata frita, pimentão, bacon, ovos...) que estava excelente! Não deixe de pedir, e nem no cardápio geralmente está. Eu gostei muito e com certeza voltaria. 


Ramblas Playa de Los Pocitos

Letreiro na Playa de los Pocitos

Outro comportamento muito comum dos uruguaios é comprar bebidas e ir com a galerinha para as ramblas da praia confraternizar. Fomos para a orla da Playa de los Pocitos onde já tinha uma boa quantidade de gente, compramos bebidas no mercadinho e fomos sentar nos banquinhos das ramblas da praia. Foi muito legal e essa prática é quase que exclusiva dos locais, nada de turistas nesse perímetro. Ainda deu para tirar fotos no letreiro de Montevideú com a Punta Carretas toda iluminada ao fundo. Cool!

Comentários

  1. Adorei as dicas!! Com certeza vou usa-las!! :)

    ResponderExcluir
  2. Como q funciona a vestimenta em montevideo? É como eu Buenos aires q é proibido
    Entrar sem sapatos, com bone

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vi ninguém ser barrado por isso...

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Eu Até Desejo Ir, Adoro Atividades Noturnas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia